sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Tempo de recomeçar

Pv 24:16 "Porque sete vezes cairá o justo, e se levantará; mas os ímpios tropeçarão no mal."

Estamos chegando em mais um final de ano. É normal fazermos planos, tomarmos decisões importantes para o próximo período que chega. Observando o ano que passou, muitas vezes nos frustramos com o planos que fizemos e que não se realizaram. É um período de muita euforia, mas no qual a depressão pode nos atingir. Não sei como você está se sentindo agora, mas creio que tenho um recado de Deus para você: não desista, suas quedas foram previstas por Deus e o ajudarão a chegar no lugar que ele tem planejado para você.

Neste texto de provérbios vemos que o justo caí. Muitas vezes inclusive. Sete era um número que determinava a perfeição, então este seria um número perfeito de quedas. Com isso, Deus está dizendo que o justo se levanta de todos os tropeços que tem na vida. Quer notícia melhor do que essa? Somos humanos e sujeitos a momentos ruins, mas Deus não planeja nossa destruição. Em todos os reveses Deus procura o melhor modo de nos restaurar e nos trazer de volta para o caminho correto.

Então ouse planejar mais um ano. Ouse buscar novos caminhos. Ouse fazer o que você jamais fez antes. "o homem faz planos, mas a resposta certa vem do Senhor." Planeje, avance, caia, levante. Um ano está prestes a começar e não devemos ficar paralisados com medo de errar ou nos frustrarmos mais uma vez. "Deus tem planos de paz e não de mal pra você." Não se cobre em demasia, apenas decida viver com Deus e receba apoio e força em todos os dias da sua vida.

Feliz 2013...

Em Cristo

Silvio Barbosa



domingo, 23 de dezembro de 2012

O maior ato de Interferência da História

Jo 1:14 "E o Verbo se fez carnee habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade." 

Está chegando o dia 25 de dezembro e não poderíamos deixar de falar sobre o nascimento do homem que mudou a história da humanidade. É possível que Jesus tenha nascido em outubro, na época da festa judaica dos tabernáculos, ou barracas. O verbo traduzido como habitou  no texto acima poderia ser traduzido como tabernaculou ou fez sua tenda entre nós. O simbolismo é interessante, mas nós do ocidente comemoramos o natal no dia 25 de dezembro com grandes festas e reuniões familiares.

Podemos pensar que esta festa se tornou demasiadamente comercial, no entanto é uma época bastante propícia para falar do homem que mudou a história. É natural que as pessoas parem para pensar no ano, no que fizeram, como nas retrospectivas da TV  Muitas se abrem para coisas novas, outras se sentem motivadas para visitar uma igreja, tiram tempo para ler uma mensagem bonita. Logicamente o natal movimenta o comércio, mas também faz com que as pessoas parem e olhem para suas vidas, abrindo muitas vezes seu coração para algo diferente de tudo o que viveram.

A história do nascimento de Jesus é uma sequência de milagres  ou seja, uma sequência grande de interferências diretas de Deus no mundo. Uma virgem concebendo um filho é surpreendente para todos no planeta. Não havia inseminação artificial na época, mas Jesus nasceu sem que sua mãe tivesse tido qualquer relacionamento sexual. Deus manifestou seu grande amor, fazendo com que o Deus Filho se tornasse homem, envolto em um corpo de carne como o meu e o seu. Este ato sem precedentes na história é o que nos dá esperança e nos faz ter a certeza de que Deus nos ama e quer ter um relacionamento conosco. O maior ato de interferência da história é Deus salvando aqueles que estavam perdidos.

Você pode ter uma história de vida completamente diferente da minha, mas algo nós temos em comum: ambos temos falhas, cometemos erros, sejam por vontade ou involuntários. É isto que a Bíblia chama de pecado. Isso nos torna imperfeitos, indignos da perfeição divina. Muitas vezes nos enganamos, achando que estamos seguros porque somos melhores que muitos que estão por aí, no entanto a perfeição não admite falhas, por isso a imagem de um Deus perfeito é tão amedrontadora. Como então podemos nos relacionar com a perfeição?

Jesus assumiu a imperfeita natureza humana a fim de se tornar o único homem perfeito. Seu corpo tinha sede, fome, sentia sono, sofreu todas as tentações que possam ser imaginadas, mas não cedeu como diz a Bíblia. Enfrentou seus medos, sacrificou-se grandemente na cruz. No entanto, a cruz não existiria se ele não tivesse nascido. Deus poderia permanecer soberanamente assentado em seu trono no céu, mas escolheu andar entre os humanos porque os amava. O maior ato de interferência é o maior ato de amor que já existiu. Deus nos amou de tal maneira, que deu seu único filho para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha vida eterna. Quem ama interfere, não se omite, busca de todas as formas o bem do ser amado.

Jesus é a maior prova do amor de Deus. Se você já o conhece e sua vida é dele agradeça por mais um ano em sua presença, mas se você não conhece ou ainda não entregou sua vida a ele, aproveite este natal para deixar que Jesus nasça no seu coração. Ele quer te dar a eternidade ao lado dele, basta você querer. Feliz Natal, boas festas e que deus os abençoe ricamente em tudo o que vocês fizerem.

Em Cristo

Silvio Barbosa


quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

O Deus que interfere


Jó 40:8-12 “Porventura também tornarás tu vão o meu juízo, ou tu me condenarás, para te justificares? Ou tens braço como Deus, ou podes trovejar com voz como ele o faz? Orna-te, pois, de excelência e alteza; e veste-te de majestade e de glória. Derrama os furores da tua ira, e atenta para todo o soberbo, e abate-o. Olha para todo o soberbo, e humilha-o, e atropela os ímpios no seu lugar.”


Existe um pensamento muito comum na teologia de hoje que Deus criou o mundo, estabeleceu regras universais e não interfere mais na realidade que produziu. Esse Deus não ajudaria seu filhos a encontrar emprego, por exemplo, por ser uma demonstração de parcialidade. A vida na terra seria uma sucessão de escolhas e os reveses e sucessos da vida não encontram em Deus nenhuma interferência. A divindade  nesse caso, é mais vista como uma influência do que como um ser pessoal capaz de interagir com sua criação.

Este pensamento não falha em sua racionalidade. Tem como pontos fortes a ênfase na responsabilidade humana e se fia em uma ideia de justiça e ética, no entanto  carece de uma fundamentação bíblica. Em todos os momentos da escritura, observamos um Deus que interfere diretamente na realidade terrena. Deus concedeu o paraíso, depois fechou o caminho. Trouxe vitalidade ao ventre de Sarah. Ajudou Jacó com os rebanhos de Labão. Tornou José líder no Egito  Resgatou seu povo com mão poderosa. Interferiu em várias batalhas de Israel.

Tudo isso pode gerar o comentário de que são simbologias extraídas do Antigo Testamento, mas Jesus realizava curas sobrenaturais, tinha poder sobre demônios, era soberano sobre os alimentos. Depois de voltar ao céu, envia o Espírito Santo, dons espirituais, fulmina Ananias e Safira, tira Pedro da prisão, livra Paulo da morte por apedrejamento, o liberta de prisões, etc. Seriam inúmeros casos mostrando a interferência de Deus nos afazeres humanos. De maneira prática Ele gosta de interferir e o faz com sabedoria, em favor daqueles que o buscam.

A mente humana é incapaz de entender os pensamentos e caminhos de Deus. Alguém que pensa que o criador é injusto por abrir portas de emprego aos seus filhos, não percebe que ele pode abrir estas portas dando maior capacidade aos seus, ou mostrando que podem ser mais responsáveis. Quem é capaz de atribuir parcialidade a Deus? Ele é bom para todos que o buscam, mas, segundo as escrituras, escolhe interferir na vida dos que se aproximam dele pela fé. Deus permite ser buscado e escolhido, para então derramar suas bençãos sem medida. Está disponível a todos, mas muitos continuarão fora dessa festa, julgando que são senhores de suas vidas, andando "sem Deus no mundo" como diria Paulo.

Não se engane! O mundo pertence a Deus que não delega suas tarefas às forças da natureza. Ele está dia a dia interferindo e controlando tudo no mundo terreno e no espiritual  A vida não acaba aqui, por isso não tente entender tudo, pois uma dose de mistério nos acompanhará até o término de nosso jornada aqui. Permita que ele seja o seu Deus e veja as maravilhas que ele preparou pra você.

Em Cristo

Silvio Barbosa

P.S.: Até o momento da publicação desse post contamos com 1063 visualizações. Muito obrigado por você que me acompanha. Espero que a jornada seja edificante pra todos.


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Rumo aos 1000

Fl 3:14 "Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus."


Certo dia, voltando do trabalho, tive a ideia de um nome de blog que eu achava muito legal: QualquerCoisaGospel. Seria o meu terceiro ou quarto blog. Nenhum fez sucesso ou se tornou relevante, mas como todo brasileiro não desiste nunca, aqui estamos mais uma vez. Hoje estamos próximos da milésima visualização, cada post conta com uma média de 50 a 60 leitores. Pode parecer pouco, mas como escreveu Zacarias: "Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas?" Zc 4:10. Estou muito feliz, e creio que Deus acrescentará muitos mais ao longo dessa caminhada.

Quando se começa um blog, uma ideia sempre surge na cabeça, e para manter-se fiel a proposta é necessário relembrá-la de tempos em tempos. meu objetivo é falar de assuntos teológicos de forma simples, descomplicada, se possível com certo bom humor. A Bíblia foi escrita em linguagem simples para que as pessoas mais simples pudessem entender. É bastante doloroso perceber que os pregadores muitas vezes optam por complicar demasiadamente a mensagem a fim de parecerem mais inteligentes. A mensagem de Cristo não é capaz de salvar ninguém se não for perfeitamente compreendida.

Meu pensamento teológico foi formado no calor de muitos debates, por isso jamais espero que todos concordem comigo. Os comentários do blog estão a disposição de todos que queiram deixar sua opinião, concordem ou não comigo. Obviamente não deixarei de retrucar se não concordar. Creio que na interação há crescimento e nas múltiplas opiniões se encontra a sabedoria. Não mudo de ideia facilmente, mas nao sou tolo o suficiente para afirmar que nunca erre, então se sua convicção discorda da minha, sinta-se a vontade para enriquecer nosso debate.

Por mais feliz que esteja agora, não estou satisfeito. Acredito que enquanto estivermos na terra jamais estaremos, então o melhor é sempre ter o alvo diante de nós, prosseguindo firmes em direção a ele. Não devemos desistir até alcançar o prêmio que está com nosso Senhor Jesus, que sacrificou-se grandemente para nos dar esperança. Andemos juntos "esquecendo das coisas que pra trás ficam" até alcançar o tão sonhado objetivo.

Em Cristo

Silvio Barbosa


sábado, 15 de dezembro de 2012

Tradição

Mc 7:9 "E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição."


Dos grandes adversários de Jesus, os mais notórios eram os fariseus. Este grupo  afirmava pureza em seus atos e defendia fervorosamente suas opiniões de acordo com sua interpretação da Torá. Aceitavam todos os livros do antigo testamento da Bíblia protestante, no entanto davam também bastante importância ao testemunho da tradição. Normalmente aceitavam os mandamentos contidos na Bíblia, mas sua interpretação e maneira prática de seguir os ensinamentos dependiam e muito da opinião dos antigos.



Para um observador da época, Jesus pareceria um progressista tentando mudar todas as tradições pré-estabelecidas, porém não era seu objetivo ser modernista, na verdade buscava resgatar a verdadeira adoração ao Deus de Israel com simplicidade e pureza. A devoção que começou com a paixão daqueles que viram os atos grandiosos de Deus, estava então transformada em um conjunto de regras frias que determinavam o que podia ou não ser feito. A devoção sincera dos fundadores do grupo fariseu, se tornou rigidez dogmática destituída de uma genuína adoração a Deus.


É muito fácil condenar este grupo a luz do que a Bíblia nos mostra, no entanto acho mais proveitoso fazermos uma autocrítica, na qual perceberemos que muitas de suas atitudes encontram eco nas nossas. Somos seres provenientes de algum tipo de cultura, seja ela secular ou cristã. Nossa bagagem muitas vezes determina nosso modo de pensar e até mesmo nossa interpretação das escrituras  Não pretendo revogar a dádiva do livre exame das escrituras, no entanto é necessário buscar humildade em nossas posições. Deveríamos nos perguntar se realmente nossa resposta está baseada na Bíblia ou se a estamos usando para defender nosso ponto de vista.

Todos os dias milhares de pregações são proferidas no mundo e creio que todas falhem em maior ou menor grau em entregar o evangelho puro e genuíno. Pedro apóstolo é um exemplo claro disso, quando decide esquivar-se da comunhão com os gentios após a chegada de emissários de Tiago, ou antes mesmo quando estava pronto a recusar os alimentos que em visão Deus o mandava comer. Pedro tinha ali uma série de preconceitos que precisavam ser tratados antes que ele realmente pudesse conceber um gentio salvo. Demorou bastante tempo e uma perseguição para a Igreja do primeiro século começar a evangelizar não judeus. Em suas mentes limitadas Deus esta vindo para salvar seu povo, ou seja, a nação de Israel, no entanto o povo de Deus era muito maior, englobando todos os povos e nações.

Ter idéias pré-concebidas é perfeitamente normal e saudável. É salutar ter opinião sobre as coisas que afetam nosso dia-a-dia, no entanto precisamos fugir das armadilhas que nossos pensamentos colocam diante de nós. Precisamos buscar em Deus a humildade suficiente para julgar opiniões diferentes e se necessário mudar nosso modo de pensar. Somos muito rápidos para responder, muito provavelmente porque já temos ideia formada sobre a maioria das coisas. Precisamos aprender a ouvir, como forma de sermos enriquecidos com a sabedoria alheia. Deus nos faz viver em comunidade e nos ensina na interação com a comunidade. Muitos conceitos eu já mudei por um exame cuidadoso das escrituras, outros por influência de bons autores, mas muitos foram mudados pelo dia-a-dia, pelo convívio com pessoas de carne e osso. Conceitos são frios, então precisamos de muita sabedoria para não ficar apegado demais a eles. Buscar influência em boas tradições é maravilhoso, mas deixarmo-nos escravizar por ela torna nossa vida espiritual em pura hipocrisia.

Em Cristo
Silvio Barbosa

P.S.: Não deixe de comentar no blog, curtir e comentar no face. Sua participação tem muito valor pra mim.


domingo, 2 de dezembro de 2012

O temor do Senhor

Pv 9:10 "O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência."



Hoje  visualizei pelo facebook  a seguinte frase atribuída a uma cantora evangélica conhecida: "o religioso busca a Deus porque tem medo do inferno, mas um filho de Deus busca o pai porque não suporta a ideia de ficar longe dele (possivelmente Nivea Soares). Entendo o seu objetivo de enfatizar a busca por um relacionamento íntimo com Deus, no entanto, essa frase não capta o espírito do religioso e pode nos fazer esquecer de algumas verdades.




No evangelho de mateus, Jesus nos aconselha a não temer aqueles que matam o corpo, mas sim aquele que tem o poder de matar também a alma. Jesus está claramente falando de Deus e palavra em grego phobeu não significa respeito reverente, mas medo sim, palavra da qual deriva fobia, associada a pânico em português. O autor de Hebreus afirma que "terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo". A descrição da batalha e destino final dos ímpios no Apocalise é perturbadora. Como conciliar o relacionamento de filho amado e este pavor que uma divindade tão grandiosa é capaz de produzir?


Na verdade precisamos entender que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Não é a sabedoria completa, nem um fim em si mesmo. Temer a Deus está no começo de nossa jornada. Não existe arrependimento antes de entendermos o quanto somos pecadores e merecedores da ira de Deus. Como um filho desobediente que é digno do castigo, somos dignos da morte eterna, separação total e definitiva de Deus. Compreender nossa culpabilidade diante de Deus deve causar pavor, direcionando nossas vidas ao arrependimento. Diz a Bíblia: "levemos em conta a bondade e a severidade de Deus". Somente vamos até Deus quando entendemos o quão necessitados dele somos e que o inferno é nosso destino se não mudarmos nossa mente. O medo é positivo quando nos afasta do perigo.

O religioso na verdade não teme a Deus, nem tem medo do inferno. Seus ritos religiosos são sua garantia de aceitação no reino vindouro. Sua arrogância o impede de ver que Deus não diz amém para cada frase sua. Em geral ele observa um conjunto de regras, que apenas seus pares são capazes de cumprir e julgam e condenam os outros que não seguem suas regras humanas. O religioso teme a sociedade, teme a opinião pública, teme perder o status de superior aos outros. Temesse aquele que pode matar a alma, jogaria-se em terra clamando por perdão sem demora.

O medo é o caminho para o arrependimento e portanto o caminho para Jesus. No entanto, não devemos parar no temor a Deus, assim como não podemos parar no princípio da sabedoria quando podemos ter a sabedoria toda. Da mesma forma que é terrível cair nas mãos do Deus vivo é maravilhoso ser chamado de filho e sermos participantes da herança. Salvos pela graça temos confiança que nossos acusadores se calam, pois Deus nos justifica. Saber o quanto somos merecedores do inferno nos ajuda a compreender e valorizar o grande sacrifício que Jesus fez por nós. O amor lança fora todo medo, quem teme ainda não está maduro em sua fé, mas imaturo ou não, a grande notícia é que mesmo ainda com medo teremos parte da maravilhosa herança dos filhos de Deus.


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Ouvindo bons conselhos

1 Reis 12:9-10 "E disse-lhes: Que aconselhais vós que respondamos a este povo, que me falou, dizendo: Alivia o jugo que teu pai nos impôs? E os jovens que haviam crescido com ele lhe falaram: Assim dirás a este povo que te falou: Teu pai fez pesadíssimo o nosso jugo, mas tu o alivia de sobre nós; assim lhe falarás: Meu dedo mínimo é mais grosso do que os lombos de meu pai..."

Roboão havia sido  coroado rei no lugar de seu pai Salomão, e logo nos primeiros momentos recebe uma comitiva em busca de uma redução na carga pesada de impostos que o povo pagava. Observando o contexto, é claro que este momento foi usado por Deus como consequência da desobediência de Salomão, ao qual Deus informou que dividiria o reino. No entanto, para este fim, Deus usa a falta de sabedoria de Roboão.

O jovem rei convoca os conselheiros de seu pai e pergunta o que deveria fazer, estes sabiamente aconselham a ceder a fim de ganhar a confiança e o carinho do povo, porém ele não fica satisfeito com a resposta e convoca seu amigos para opinarem sobre tão importante questão. Estes o aconselham a piorar o jugo de maneira arrogante. Roboão prefere dar ouvidos a voz da soberba e a consequência é realmente a divisão do reino. Dar ouvidos aos bons conselhos é importantíssimo para o sucesso em nossas vidas.

Não cabe aqui dizer que somente os mais velhos são capazes de dar bons conselhos, no entanto a experiência é uma grande aliada na hora sugerir um caminho ou um curso de ação. Devemos ser humildes o suficiente para perceber que outras pessoas trilharam caminhos antes de nós e estão aptos a nos dar importantes recursos para a tomada de decisão. Não somos capazes de entender todas as consequências de nossos atos, no entanto um amigo sábio é capaz de nos mostrar caminhos muitas vezes ocultos ao nosso entendimento.

Um homem sábio ouve muitos conselhos e julga cada um de forma a tomar as melhores decisões. Portanto, não sejamos orgulhosos, julgando que sabemos tudo, e comecemos a buscar ajuda daqueles que trilharam os caminhos antes de nós. Assim certamente chegaremos mais longe e seremos muito mais felizes.


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Começar e terminar bem

1 Reis 11:4 "Porque sucedeu que, no tempo da velhice de Salomão, suas mulheres lhe perverteram o coração para seguir outros deuses; e o seu coração não era perfeito para com o Senhor seu Deus, como o coração de Davi, seu pai,"

Salomão foi com certeza o rei mais bem sucedido da história de Israel, no entanto não teve um final de reinado bom para se orgulhar. Davi já teve problemas no encerramento do seu governo, criados a partir de seu relacionamento impróprio com Bateseba, mãe de Salomão. Parece que a família de Davi realmente teve um relacionamento conturbado com o sexo feminino. Salomão chegou ao ponto de ter 700 mulheres e 300 concubinas, muitas delas de nações as quais Deus não permitia um contato tão próximo.

Indiferente à questão da quantidade de mulheres que ele tinha, algo ainda não proibido na época, o fato é que muitas dessas mulheres eram advindas de reinos que adoravam outros deuses que não o grande IAVÈ (eu sou) de Israel. Elas conseguiram convencer o homem mais sábio do mundo a participar de sua adoração, o que trouxe uma série de consequências ruins para o rei. Salomão que havia começado bem ao pedir sabedoria para governar o povo, agora termina mal se entregando a idolatria por influência de suas esposas. Disso veio a divisão do reino, hostilidade entre Israel e Judá, culminando com a deportação do povo para a Babilônia muitos anos depois.

É muito importante começar bem, no entanto é muito mais importante terminar bem. Em nossas vidas já observamos muitos inícios promissores, aos quais esperamos grandes feitos, mas que acabam abortados por escolhas ruins ao longo do processo. Não é possível minimizar os efeitos de nossas escolhas no dia a dia e nem imaginar que um bom começo é garantia de sucesso permanente. A vida é muito mais complicada e precisa ser vivida com a certeza que Deus avaliará nossas obras, trazendo luz inclusive àquelas que estão ocultas no fundo de nossos corações.

Na educação cristã, muitas vezes, nos dedicamos muito ao começo da caminhada, esquecendo que a maturidade é algo que vem em um processo gradativo. Acreditamos que se dermos uma boa base no primeiro ou segundo ano de conversão, isso será suficiente para garantir uma vida cristão de qualidade. Na prática não é bem assim, e precisamos como igreja perceber que o processo é mais importante que o início. Como pai recente, esforço-me ao máximo nos primeiros meses de vida de minha filha, mas este bom começo não servirá de nada se daqui para frente eu me tornar um pai negligente, autoritário e não amoroso. Os prejuízos para o futuro dela serão irrecuperáveis, por mais que o começo tenha sido bom. Maturidade se adquire aos poucos, de maneira gradual com uma séria de pequenas escolhas que criarão um futuro positivo.

Nunca estaremos totalmente isentos a erros, mas precisamos avaliar nossas vidas a fim de que eles não transformem o fim de nossas vidas em uma tragédia completa. Não podemos permitir que a arrogância dos bons começos nos deixe acomodados, nos fazendo esquecer das boas escolhas do dia a dia. Como Paulo, precisamos "esquecer das coisas que pra trás ficam, avançando em direção ao alvo". Precisamos viver nossas vidas como  servos fiéis, sabendo que Jesus voltará sem aviso, ponderando nosso caminho e crescendo na fé todos os dias. Paulo combateu o bom combate e venceu. Salomão começou bem, mas sucumbiu. Que no final de nossas vidas possamos ser considerados vencedores, essa é minha oração e meu mais profundo desejo.


quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Transição

1 Reis 1:35 "Então subireis após ele, e virá e se assentará no meu trono, e ele reinará em meu lugar; porque tenho ordenado que ele seja guia sobre Israel e sobre Judá."

Com estas palavras Davi indica Salomão para assumir seu lugar como rei de Israel. Davi havia sido muito bem sucedido em seu reinado. Apesar de alguns deslizes morais, um problema familiar grave e uma tentativa de golpe por parte de um filho, Davi gozava de bastante popularidade e expandiu de maneira significativa o território de Israel. No entanto ele já estava velho e precisava indicar seu sucessor. Adonias, seu filho, começou a preparar o caminho para ser ele o escolhido, porém Davi já havia escolhido Salomão  um filho jovem, nascido de uma falha moral de Davi, em suma o menos indicado humanamente para o cargo. Davi estava seguro em sua decisão, pois ele também havia sido escolhido rei a despeito das hierarquias de idade que existiam em Israel.

Em um ambiente turbulento, Salomão precisaria fazer a transição de governo, inicialmente na sombra e na popularidade de seu pai, mas com a necessidade de encontrar seu próprio caminho. No entanto, como podemos ler na sequência de reis, ele se considerava incapaz de cumprir a missão e em seu primeiro encontro com Deus pede sabedoria para governar o povo, no que é prontamente atendido por Deus. Ele foi considerado o rei mais sábio que Israel teve e com consequência de sua decisão granjeou riqueza e expandiu os domínios de Israel como nenhum outro, desfrutando de paz o que seu pai nunca conseguiu. Salomão conseguiu ser muito bem sucedido na missão de sair da sombra de Davi e pavimentou seu próprio caminho.

Uma transição nunca é fácil, seja em uma empresa  seja em uma igreja. Lideres que saem, seja qual for o motivo, deixam um missão complicada para seus sucessores. É necessário ter muita sabedoria a fim de não destruir o trabalho anterior e ao mesmo tempo não se tornar um mero administrador do que foi feito. Um líder novo precisa trabalhar seriamente a fim de conseguir fazer o seu grupo avançar. Trabalho em uma empresa com o costume de trocar suas lideranças em uma média de 3 anos. A transição é sempre complicada, no entanto  depois de passado o choque inicial somos capazes de perceber novas idéias, novas formas de fazer, desfazendo qualquer tipo de acomodação e gerando novos resultados. Não sou contra lideranças de longo tempo, mas estas precisam se reinventar ano após ano e com certeza precisarão ser substituídas quando da morte ou da aposentadoria desse líder. A igreja precisa permanecer e avançar.

Nossas igrejas foram muito machucadas com transições mal feitas. Falhas humanas, com certeza, no desafio de colocar o líder certo no lugar certo. Muitas inimizades são criadas nesses períodos, no entanto transições não precisam ser dolorosas. A criação de lideranças locais ajuda muito nesse processo, tendo sempre um substituto pronto para qualquer emergência, assim cabe a igreja investir nos seus jovens a fim de sempre garantir a renovação da liderança em mudanças suaves e não traumáticas. Que nossas igrejas sejam sábias a fim de nunca destruírem uma congregação na mudança de sua liderança.


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Torne-me uma pessoa sábia

1 Rs 3:9 "A teu servo, pois, dá um coração entendido para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; porque quem poderia julgar a este teu tão grande povo?"

Em um dos momentos mais marcantes da história de Salomão, Deus pergunta a ele o que gostaria de ter. Normalmente um rei pediria grandeza, vitória sobre seus inimigos ou riquezas. Cada um desse fatores era importante pra manter e desenvolver um reino, no entanto Salomão percebia que existia um fator muito mais importante: a sabedoria. Salomão era jovem quando assumiu o reinado, então pediu a Deus que o enchesse dessa característica.

No livro de provérbios ele afirma "sabedoria é a coisa principal; adquire pois a sabedoria, emprega tudo o que possues na aquisição de entendimento." (Provérbios 4:7). Ele sabia que tudo na vida depende da sabedoria com que lidamos com os fatos cotidianos. Em uma passagem, quando questionado por duas mães sobre de quem seria um filho vivo, para poder decidir, ele dá um resposta típica dos reis da época: Corta o bebê ao meio! Em sua grande sabedoria, percebeu que a verdadeira mãe preferiria ver o filho com outra do que morto. Como rei ele poderia determinar qualquer coisa, mas como homem sábio sabia fazer a verdade vir a tona. Seu reinado foi o mais pacífico e grandioso devido ao seu relacionamento precoce com o entendimento.

Infelizmente em nossas igrejas, muito poucas pessoas estão preocupadas em adquirir sabedoria. Não é errado orar por curas, bençãos materiais, entre outras coisas, no entanto nossas orações ganhariam um novo nível se buscássemos a sabedoria. Saberíamos assim a orar melhor, sendo mais eficientes e recebendo muito mais daquilo que pedimos. A mulher sábia edifica a casa, a néscia à derruba. o líder sábio traz crescimento, o que não é cedo ou tarde destrói seu rebanho.

Tiago nos encoraja a pedir sabedoria que Deus dá a todos, sem lançar em rosto. Ele está disposto a nos tornar preparados para andar sabiamente em nnossos caminhos. Cabe a nós valorizar e buscar entendimento, a fi de adquirirmos maturidade. Sabedoria não é exclusividade dos velho, mas provém de nossas experiências com Deus e da ação do Espírito Sano em nossas vidas. Minha oração é que Deus nos dê grande sabedoria hoje e até o último dia de nossas vidas.


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Cantai ao Senhor um cântico novo!

Salmo 96:1 "Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao senhor toda terra."

 O povo de Israel têm, desde muito cedo, o hábito de cantar músicas em honra a Deus. Após a passagem pelo mar vermelho, podemos observar uma grande cantoria em homenagem ao Deus que deu uma grande vitória ao seu povo. Centenas e milhares de músicas podem ter sido cantadas ao longo da história de Israel, mas no Salmo 96 o salmista nos encoraja a cantar um cântico novo... o que isso significa?

Inicialmente poderiamos acreditar que existiria uma critica aos cânticos antigos, no entanto não parece ser esta a intenção do autor. Na história de Israel havia um acervo riquissimo de músicas compostas nos mais marcantes momentos de sua história. Alguns deles estão eternizados nas páginas da Bíblia e nos trarão ensinamentos profundos por muito e muito tempo. No entanto, Deus continua encorajando seu povo a não permanecer somente no passado para avançar para aquilo que está adiante.

Não podemos idolatrar métodos antigos que hoje não trazem mais resultados. Cantar um cântico novo significa se abrir para aquilo que nunca foi feito e abandonar o mundo confortável que vivemos. Cantar um cântico novo significa sair de Jerusalém e pregar na Samaria. Significa pregar aos gentios. Significa ir até Roma e confrontar o imperador. Significa ir até Cornélio por uma visão. Cantar um cântico novo significa abrir-se a métodos modernos para levar a todos a mensagem eterna do evangelho.

Clemente de Roma, no século II, afirmava que os cristãos eram fiéis aos ensinamentos de Cristo, mas adaptáveis à cultura e aos costumes de sua época. Precisamos apreender a discernir o que é eterno, daquilo que é temporal. Precisamos entender que os métodos mudam, mas a mensagem permanece a mesma. Novos ritmos, novos instrumentos, novas melodias, novas letras, novo vocabulário. Tudo isso contribui para a Glória de Deus. Honramos o passado, mas sempre atentos ao que Deus vai fazer logo ali na frente.

Se eu puder deixar apenas um conselho: não se apegue tanto às formas que Deus abençoou para não perder aquilo que Deus ainda vai abençoar. Lembre-se que as fórmulas mudam, mas Jesus permanece o mesmo ontem, hoje e sempre, tendo prazer em nos tirar da zona de conforto em direção aquilo que ele de antemão preparou para nós.



quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Poder Político

At 1:6 "Então os que estavam reunidos lhe perguntaram: 'Senhor, é neste tempo que vais restaurar o o reino a Israel.'"


Jesus batalhou bastante com a incompreensão sobre sua missão na terra. Os judeus haviam postulado uma grande variedade de teorias sobre o propósito da vinda do Messias a terra. Eles esperavam alguém da linhagem de Davi, apto a liderar a nação para a reconquista do território perdido para nações mais poderosas militarmente. Criam que Deus daria ao seu ungindo o poder de vencer os inimigos da nação, trazendo novamente a glória que Salomão desfrutou em seu reinado. Esperavam um libertador político, por isso não foram capazes de aceitar a mensagem de Jesus. Jesus mesmo os criticou por buscarem "glória humana". o objetivo dos líderes da nação era serem respeitados pelos reinos da terra novamente. Os primeiros discípulos de Jesus ainda estão impregnados por esta noção política do reino, não sendo capazes de compreender na totalidade os ensinos de Jesus.

Jesus rompe com a noção política ao ressaltar que não cabe aos seus discípulos saber tempo e estações, mas por outro lado receberiam poder para serem testemunhas de Jesus no mundo todo (At 1:7,8). em Lc 17:21 ele pontua que o Reino não viria de forma visível, mas estaria no meio deles. Na sua crucificação, ao ser questionado por Pilatos, tem plena consciência que se seu reino fosse desse mundo, o pai enviaria uma série de anjos para libertá-lo e trazer vitória. No entanto, o reino espiritual proposto por ele  é muito mais abrangente, trazendo redenção através de seu sacrifício  libertando o homem do poder de satanás, mesmo que permaneça sujeito a Roma. Jesus veio para trazer libertação espiritual, fazendo do escravo um homem livre, mesmo enquanto pudesse permanecer como escravo. Deus é o libertador e o recompensador de todos os homens que a ele se achegam.

Contudo, é muito fácil esquecermos essa verdade e sermos seduzidos pelo poder humano. Acabamos de passar por um período eleitoral, no qual vimos o apoio de muitas igrejas a determinados candidatos e em alguns casos até indicando candidatos próprios para estes cargos eletivos. O pensamento que por trás desses apoios é que se tivermos membros piedosos no congresso, leis mais santas serão aprovadas, leis ímpias serão rejeitadas e o pais será ppor causa disso mais piedoso. Não critico o envolvimento político dos crentes, nem o desejo legítimo de eleger bons políticos, no entanto a política jamais será capaz de trazer a justiça que somente Deus pode criar. Não adianta criar leis contra o homossexualismo, enquanto esta conduta estiver nos corações dos homens. Não adianta criar leis contra o divórcio, contra o aborto, quando lares continuarão a ser destruídos todos os dias e bebes indefesos serão assassinados sem poder de reação.

A metanoia, mudança de mente, arrependimento é algo que vem de dentro pra fora através da confiança em Jesus e da ação do Espírito Santo. Paulo pontuou que pela lei ninguém será salvo, seja pelas do Antigo Testamento, seja pelas da constituição brasileira. A igreja precisa voltar suas forças para o testemunho daquele que é poderoso para salvar, pois o céu não é habitado  por cumpridores das leis, mas por homens e mulheres redimidos pelo sacrifício de Jesus. Chega eleição, passa eleição e esperamos um messias que resolva os problemas do nosso país, acreditamos até descobrir que os candidatos a messias são tão falhos e incapazes como todos os outros que o antecederam. É fácil criticar os fariseus, no entanto fazemos o mesmo que eles: esperamos um messias que já veio e que é capaz de transformar uma sociedade de dentro pra fora, capaz de trazer alegria, satisfação e, por que não, justiça social.

Um legítimo cidadão do Reino será com certeza um bom cidadão, no entanto um bom cidadão não necessariamente um cidadão do Reino. precisamos colocar nossas forças naquilo que é eterno, invisível  pois tudo aqui na terra passará. Precisamos tomar posse do poder que temos, testemunhando, a fim de que as pessoas realmente sejam transformadas. Nós somos os eleitos de Deus para esta missão e ele espera de nós apenas fidelidade. Sejamos os agentes da revolução de Jesus, mudando a sociedade pelo amor e pelo poder do Espírito Santo.


domingo, 28 de outubro de 2012

Misericórdia quero

Mt 5:7 "Bem aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia."

Existem na Bíblia 134 menções diretas da palavra misericórdia. Somente em salmos encontramos 20 citações. O texto de Oséias 6:6 (misericórdia quero, não sacrifício) é citado diretamente por Jesus duas vezes. Pode-se concluir que é um assunto bem importante no contexto das escrituras. No entanto, para nós que temos familiaridade com a Bíblia e com suas leis, é muito fácil esquecer desse importante ensinamento.

Ao contrário do que muitos pensam, Jesus não criticou o conhecimento dos Fariseus. Ele era, contudo, um crítico ferrenho de suas atitudes, entre elas a falta de misericórdia. Jesus chega a dizer que um Escriba instruído nas coisas concernentes ao Reino, poderia tirar de seu baú coisas novas e velhas. E num forte discurso declarou que os ensinamentos dos fariseus deveriam ser praticados  mas que suas atitudes não poderiam ser copiadas. Jesus queria que a misericórdia fosse parte do dia a dia da comunidade de Israel.

Em uma passagem, na qual Jesus está indo em direção a Jerusalém, ele é impedido de entrar e permanecer em Samaria. Seus discípulos logo lembraram de Elias para pedir fogo consumidor do céu. Jesus repreende seus discípulos severamente, mostrando que seu objetivo era a salvação dos homens e não sua condenação.  O evangelho avança quando os crentes estão transbordando de misericórdia e perece quando os corações estão cheios de hipocrisia e julgamento.

Em Lucas 6:37-39, Jesus nos mostra que o nosso julgamento será de acordo com o modo como julgamos os outros. Ele nos encoraja a perdoar e a dar generosamente. Ele busca homens segundo o seu coração misericordioso, cheio de graça. Ele declara bem-aventurados aqueles que realmente encontram em si a misericórdia. Esses serão realmente grandes no Reino, pois somente encontra a misericórdia divina aquele que aprende a ser misericordioso.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Vida Abundante

"O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância." JO 10:10

O objetivo de Jesus para nós é que tenhamos vida com abundância. Isso não significa que estaremos isentos de  problemas, no entanto, alguns enfatizam tanto as dificuldades da vida que esquecem da plenitude de alegria que Jesus veio nos proporcionar. Paulo, Pedro e os outros discípulos aprenderam desde cedo a buscar sua satisfação em Deus e nunca se sentiram frustrados por causa disso.

Certa feita Pedro questionou Jesus sobre o futuro daqueles que largaram tudo pra segui-lo e recebeu a resposta que receberiam 100 vezes mais na terra e de quebra a vida eterna. Jesus não prometeu somente facilidades na terra, também não prometeu apenas sufoco, dor e tristeza ao longo da nossa trajetória. Ele enfatiza a felicidade daqueles que sofrem pelo nome dele, mas também ressalta o cuidado, a provisão e o pleno derramar de alegria dado pelo pai, do qual procedem todas as dádivas.

Deus não é um mero produtor de bençãos, mas também não é um sádico feitor de escravos ansioso por nos ver sofrer. Deus é um pai amoroso que sabe dar boas coisas a seus filhos, mas que usa as dificuldades da vida para nos permitir crescer. Deus nos ama tanto que não tira todos os espinhos do nosso caminhar, pois sabe que pequenos machucados nos tornarão mais sábios para viver nossa vida.

Deus quer nos dar uma vida abundante, mas para desfrutá-la precisamos caminhar pelas dificuldades da vida com a certeza de que ele cuida de nós todos os dias.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Aos Cansados

Mt 11:28 "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei."

Muito esforço têm sido feito em definir o que seria a religião cristã. Muitos lideres ao serem questionados sobre o que é necessário para ser um seguidor de Jesus, logo se põe a elencar os mandamentos que julgam mais importantes. Fazem listas e descrevem em pormenores o que é ser cristão, incluindo que roupa deve usar e que estilo musical gostar.

O cristianismo bíblico está muito longe de uma lista de regras a serem cumpridas. Jesus promete alívio, não opressão. Promete uma vida que flui do interior e não um conjunto externo de regras para tornar o homem parte de qualquer igreja. Não adianta cumprir o mandamento de não matar e mentir. Não adianta não cometer homossexualismo e ser avarento. Não adianta dar dízimo e esquecer de dar a mão ao próximo ou honrar pai e mãe. De fato, se fossemos definir o cristianismo por meramente cumprir os mandamentos contidos na Bíblia o céu permaneceria vazio. Paulo é claro ao definir que é impossível cumprir toda a lei e que pela lei ninguém será salvo. Não que a lei seja errada, mas o problema reside no ser humano que se encontra impossibilitado de cumprir suas exigências.

Jesus, questionado por um mestre da lei, afirma que a salvação depende de um novo nascimento. A vida cristã é fruto de um ato sobrenatural de Deus que grava as leis em nosso coração. Se alguém perguntasse pra você agora o que é necessário para ser salvo o que você responderia? Basta crer em Jesus, mas se você cometer tais e tais pecados não pode ser salvo. Nossa resposta muitas vezes confunde salvação com maturidade. Evidências com motivos para sermos salvos. Vida cristã é fruto do relacionamento com Jesus e não o modo pelo qual nos achegamos a ele.

Jesus promete alívio aos cansados. Àqueles que lutam dia após dia contra seus pecados a fim de se achegarem a Deus e descobrem que são incapazes de realizar esta missão. Aos frustrados, com sentimento de indignidade, que querem servir a Deus, mas sentem-se impuros e distantes dele. Jesus chama para perto e nos faz entender que a graça dele basta, que as águas que fluem do trono são suficientes para fazer passar a sede e limpar aquele que ama a Deus. Seremos transformados de glória em glória depois de sermos acolhidos por aquele que nos ama infinitamente.

Vamos a Jesus. Nele reside a verdadeira salvação, Ele põe um fim na nossa busca vazia e nos capacita a verdadeiramente viver em novidade de vida.

domingo, 14 de outubro de 2012

Poder, não palavras

1 Co 4:19:20 "Mas irei muito em breve, se o Senhor permitir, então saberei não apenas o que estão falando estes arrogantes, mas que poder eles tem, pois o Reino de Deus não consiste de palavras, mas de poder."


As cartas de Paulo aos corintios são por vezes bastante duras. No entanto, esta dureza não se relaciona com um temperamento ruim do apóstolo, mas de um sentimento paterno que habitava em seu coração. No mesmo capítulo, no verso 14, afirma que os adverte como filhos. Se descreve por vezes como em dores de parto por eles. Paulo amava realmente os discipulos que havia deixado naquela cidade.

No entanto, após o apóstolo partir para outros desafios missionários, mestres eloquentes se aproximaram da comunidade. Os gregos sempre foram aficcionados por filosofia. Amavam um bom debate e admiravam grandes oradores. Então foi fácil para esses pregadores arrebanharem discipulos entre esta comunidade. Nesse contexto Paulo lança um desafio: "as palavras são bonitas, mas onde está o poder?"

Paulo acreditava que o evangelho era o PODER de Deus para a transformação de todo aquele que crê. Jamais ficaria satisfeito ao ver seus discipulos se afastando do poder de Deus, em busca de sabedoria humana. O apóstolo afirma que  aprouve a Deus salvar através da loucura da pregação. o Evangelho não é racional, não pode ser compreendido por mente humana, mas a manifestação do poder de Deus é capaz de gerar vida e dar entendimento.

Busque o poder que transforma e então você conhecerá a verdadeira felicidade.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Música na madrugada


Simplicidade

"Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo." 2 Co 11:3

Um dos grandes temores do apóstolo Paulo era que seus discípulos se afastassem do evangelho simples que ele pregava. Muitos dos escritos paulinos serviam para retirar do grupo de cristãos tendências judaizantes e legalistas. Paulo se revolta porque o povo que ele ensinou, agora estava indo atrás de outros mestres, chamados de super apóstolos, que estavam introduzindo um séria de novos elementos na fé da comunidade.


Paulo era um ferrenho defensor da graça e como antigo membro do grupo dos fariseus, conhecia os perigos de uma fé legalista. Ele inclusive se opõe a Pedro em certa ocasião, onde Pedro dissimula viver a judaica, quando antes da chegada de emissários de Tiago, comia e bebia com os gentios. O apóstolo dos gentios jamais permitiria que o foco saisse de Cristo e passasse para as realizações humanas.


O ser humano tem a tendência de achar que aquilo que é difícil é melhor do que o que é fácil. Aplicamos isso aos nossos relacionamentos, às nossas habilidades, causando grandes frustações e dificuldades imensas para nossa vida e maturidade. A boa nova de Cristo é simples, pregada por Jesus a gente simples, transmitida através de pessoas simples, em linguagem simples. 


Esqueça as complicações humanas e fique com a simplicidade do evangelho.

Música na madrugada


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Uma vida descomplicada

Quando se pensa em Cristianismo, em geral se pensa em um grupo religioso com uma série de régras dificeis de serem cumpridas. Ao entrar em algumas igrejas é possível rapidamente fazer uma lista de "não pode", variando de atos de comportamento até roupas permitidas ou não. Torna-se dessa forma a vida cristão muito dificil e não atraente para os frequentadores estranhos ao sistema. Não creio que este seja o legado dos ensinamentos de Jesus.

No capítulo 23 do livro de Mateus, podemos observar Jesus criticando a hipocrisia de um grupo auto-denominado fariseus. No verso 4, ele literalmente declara que eles atavma fardos pesados e os colocavam sobre os ombros dos homens. Não tenha uma visão errada desse grupo. Eles eram considerados judeus devotos, zeloso de sua religião, cumpridores de suas obrigações de culto. No entanto, Jesus os descreve como hipócritas que colocam desafios dificeis no dia a dia das pessoas.

Em outra passagem, na qual Jesus foi convidado a comer na casa de um Fariseu, ele é questionado do porquê de seus discípulos não lavarem as mãos ritualmente antes das refeições. Jesus responde perguntando aos fariseus porque eles colocavam os mandamentos dos homens na frente dos mandamentos de Deus. Jesus dá uma aula sobre impureza, mostrando que não adianta lavar o exterior do copo, se o interior está sujo. Jesus prometeu que seu fardo seria leve e fácil de carregar.

Uma das melhores ilustrações sobre complicação na vida se encontra no primeiro livro de Samuel, onde Davi está se preparando para enfrentar Golias e recebe a armadura de Saul para melhor lutar contra o gigante, mas aquela armadura grande e pesada não estava ajudando Davi e sim prejudicando-o. Não era capaz de se mover com destreza dentro dela, então optou por deixá-la de lado e venceu o gigante com uma funda. Não adiantava colocar mais um elemento de complicação, Davi optou pelo mais simples e venceu.

Jesus disse: "vinde a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados e eu vos aliviareis". Faça opção pela vida descomplicada que Jesus tem pra você.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Você sabia...

Você sabia que Jesus criticava fortemente os fariseus por complicar a vida de seus discipulos?


Faça como Jesus e opte por uma vida descomplicada.

Para rir...


Musica na madrugada...


Um blog....

Um blog para aqueles que querem ir para o céu, mas querem ir rindo.
Querem se divertir, jogar conversa fora, mas querem falar sério, discutir na boa.
Querem aproveitar uma boa companhia, mas querem marcar presença no mundo.
Um blog para cristãos, mas também para não cristão.
um blog pra falar de nada e tudo ao mesmo tempo....

Um blog pra você que quer viver a uma vida relevente e ao mesmo tempo descomplicada!!!!!

Seja bem-vindo!!!!!